Por onde entram a carne & seus apelos

01

Luiz Roberto Benatti

O olhar do pintor percorre com vagar os limites do corpo feminino – essa anatomia do êxtase – e, mais que a visão desajeitada do espectador, o percurso não se interrompe antes que, agora, ele possa apalpar volume, elevação, curvas, inclinações, descensos. O olhar do pintor camufla a agitação, disfarça o ímpeto, contém o grito. Gula e sobriedade, porque o que ele quer é conformar a Beleza nos limites do quadro, antes que ela decline e pereça. O sublime nega ao desejo a consecução da incômoda parceria que misturaria tinta com suor, sêmen com luminosidade inimitável. Você poderá chamar Alfred Böcklin de ultra-romântico ou simbolista, porque Marcel Duchamp o chamou de mestre. Vale a pena contemplar de modo demorado reproduções de Alfred Böcklin antes que as musas de Richard Murrian nos seqüestrem de vez para a ilusão da entrega total do corpo despudorado. Em Murrian, não se vêem monstros marinhos ou terrestres que nos previnam dos perigos da carne.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.