NATÉRCIA E O PIOLHO

0001

Sérgio Roxo da Fonseca

No início de 2016, tive o privilégio de acompanhar as lições proferidas pelo Professor Cândido Rangel Dinamarco, sobre o atual Código de Processo Civil, em simpósio instalado em um navio que se movimentou por portos europeus e africanos.

Os debates foram acompanhados por juízes, advogados, promotores de Justiça, professores e pelo doutor Francisco Rezek, Ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal.

É escusado tecer qualquer comentário sobre as extraordinárias luzes deitadas sobre a matéria, provindas dos comentários do Professor Cândido Rangel Dinamarco. Faço aqui um comentário vizinho à sala dos debates.

Nos intervalos, permanecíamos em uma sala acessada por todos os demais viajantes, dentre os quais uma menininha que encantou a todos. Refiro-me a Catarina, a única criança do grupo, então com cinco anos, demonstrando, no entanto,  capacidade de comunicação muito acima dos horizontes de sua idade.

No meio de um dos encontros, Catarina, observando a importância devotada por todos ao professor, aproximou-se dele e lhe perguntou o que ele estava ensinando para o grupo. A questão causou espanto.

Cândido, imediatamente, disse a Catarina que estava dando aulas sobre como usar os dedos. Os dedos? Sim, os nomes dos dedos. Este dedo é o Mindinho. Este outro é o seu Vizinho. O do meio é o Pai de todos. Este aqui é o Fura bolo. E o último é o Cata piolho.  Catarina passou a repetir os nomes, guardando seu significado para toda a sua vida.

O professor desenvolveu o discurso, perguntando para a menininha se ela sabia o que era anagrama. Não, foi a resposta. Anagrama é a possibilidade se escrever dois nomes diferentes com as mesmas letras. Se trocarmos de lugar as letras de América encontramos Iracema. A mesma operação com Catarina, na sua forma antiga, encontraremos Natércia que foi a inspiração do mais famoso poeta de Portugal.

Catarina concluiu:  meu filho vai se chamar Cata Piolho e minha filha será  Natércia e saiu correndo perseguindo os passos de sua infância.

Na outra tarde, Catarina aproximou-se do grupo quando alguém insistiu no nome dos seus futuros filhos. Natércia e Cata Piolho?

– Não, troquei o nome dele.  Natércia será Natércia. E o Cata Piolho vai se chamar Cândido.

Alguém do grupo sentenciou que o professor Cândido Rangel Dinamarco tem o invejável dom de ensinar seus alunos a trabalhar bem com os dedos. Desde a idade de Catarina até a idade daqueles que já ultrapassaram a casa dos setenta. Benza Deus, diria  Catarina.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s