HOMENS E PÁSSAROS

001

Sérgio Roxo da Fonseca

 

Estive viajando pela Terra do Fogo e a  Patagônia argentina e chilena para conviver melhor com os povos vizinhos. Nós, brasileiros, vivemos muito mais próximos da Torre de Eiffel do que de El Calafate. A viagem foi realizada por indicação do juiz e professor argentino Ricardo Guibourg. Em El Calafate: fomos visitar os glaciares Upsalla e Perito Moreno.

Os estudiosos afirmam que esses glaciares datam de mais de 30 séculos antes de Cristo. O Upsalla é o maior da América Latina, abrangendo novecentos quilômetros quadrados de gelo. O Perito Moreno é o mais impressionante porque dele despregam blocos de gelo que fazem grande barulho ao cair na água e  parecem ter vida própria. Talvez tenham.

Glaciares são enormes corpos de neve que se derramam dos altos dos Andes até o vale mais próximo, quando então se convertem em lagos. Sobre e sob as águas do lago navegam icebergs. As águas e o gelo são brancos, mas tomam cores azuladas porque refratam os raios solares. Vemos o que não vemos.      Na Península Valdez, os fazendeiros reservaram terras para a habitação de pingüins, lobos e leões marítimos. Um técnico afirmou que as águas, pelas quais navegávamos, tinham temperatura muito abaixo de zero e não congelavam porque são   muito  salgadas.

A Terra do Fogo é uma ilha banhada pelo Canal de Beagle que tomou emprestado o nome do navio usado pelo cientista Charles Darwin que por ali um dia passou estudando a história da matéria orgânica. Na ilha está a última cidade do mundo, Ushuaia, onde fiz um amigo, o argentino Mingo.

Ao lado está o Estreito de Magalhães, pelo qual passou o português Fernando de Magalhães para descobrir o caminho das Índias navegando para o ocidente, rasgando mares desconhecidos e gelados.

Ushuaia é a capital da Terra do Fogo. A região foi colonizada no século XIX pela Argentina. A colonização foi feita usando braços de presos condenados. Construíram ali uma prisão medonha e fria para onde eram remetidos bandidos comuns e prisioneiros políticos.

O mais famoso criminoso que ali cumpriu pena chamava-se Caetano Godino, o “Menino Orelhudo”, que ainda moleque especializou-se em assassinar crianças em Buenos Aires. Em 1927 os médicos lombrosianos procederam a uma cirurgia plástica, arrancando as suas orelhas por  acreditar que nelas estava depositada a sua maldade. Na prisão matava pequenos animais domésticos, como um gato que foi lançado à fornalha. Apanhou tanto dos outros presos que acabou morrendo em 1944. O atestado médico atribui a “causa mortis” a uma hemorragia duodenal.

O prisioneiro político mais famoso chamava-se Simon Radowitsky, o anarquista que matou em Buenos Aires um comissário de polícia nos festejos do 1º de maio de 1909. Condenado e preso, conseguiu fugir para o Chile, onde foi capturado e recambiado à prisão. Mais tarde foi colocado em liberdade face à pressão política internacional. A prisão foi fechada em 1947 por Perón.

O homem é muito pequeno frente à natureza formidável e aos horrores de sua convivência. E os homens e os pássaros? Pedi ao Mingo uma frase para lembrar-me na Terra do Fogo.

A frase foi um dos grandes presentes que guardo: “se os homens não atirassem pedras, gostaria de ser pássaro; mas se os homens deixassem de atirar pedras, desejaria ser homem”..

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s