Pripyat

001

Luiz Roberto Benatti

 

 em Pripyat, quem veja não há

próximo ou remoto

são ou doente

nas ruas cruzadas pelo pó & o nada

 

a cidade foi vencida

pela alta tecnologia

& o pavor do câncer

verde-azulado

 

em Pripyat

as creches pajeiam-se a si mesmas

os espelhos não se vêem

os fantasmas não se suicidam

 

em Pripyat

a cadeira de rodas de Lênine

foi vista no alto do esqueleto dum edifício

erguido por Stálin & seus engenheiros

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s