Horror vacui ou o que perdemos  por sentir  fobia pelo espaço vazio

001

Luiz Roberto Benatti

 Horror vacui, do Latim, significa medo do espaço vazio. Os gregos usam o termo kenophobia, de sentido quase idêntico – medo do vazio. A razão disso é que algo em nós, há muito tempo, desarranjou-se porque alimentamos a fantasia de que o que chamamos de Real acha-se à nossa volta, quando isso tudo – a nuvem cambiante, a árvore, a montanha, o carro – são  objetos que compõem o cenário no qual dizemos nossas falas cômicas ou dramáticas. O silêncio nos deixa arrepiados, como se Nosferatu andasse à caça dos incautos. O horror vacui é doença de percepção subsidiária do desinteresse pela permanência: a memória provoca em nós úlcera péptica. Para nós, é como se tudo se renovasse o tempo todo, de modo que tal furor corroesse placas, apagasse nomes. Quem sabe onde morou Jocelyn Fernandes Lopes e o que houve com essa criatura? Ernesto Ramalho foi o prefeito inaugural da cidade, mas quem passar por beco que tenha seu nome, por favor, me procure para eu fotografar a placa. Você se lembra, vez ou outra, do Cineteatro Republica ou apenas do último naco de churrasco tostado que deglutiu no domingo? O nosso teatro já se chamou Luiz Carlos Rocha, mas os adolescentes não sabem quem foi ele. A Praça fronteira ao Barão do Rio Branco foi, incorretamente, chamada de Rooselvet com quem nada ou muito pouco tínhamos a ver. Aristides Muscari foi nosso grande documentarista mas 99% dos catanduvenses o ignoram, assim como João Clemente. Nossa fobia pelo espaço vazio estende-se ao medo que alimentamos de ver em 10 de nossas 200 pracinhas peças de escultura. A escultura carece ter à volta vazio e silêncio por ser ela capaz de reconfigurar  o espaço e, ao fazê-lo, reeducar o nosso olhar. Aquele que reeduca o olhar cicatriza em si dentre outras coisas o gosto pelo preconceito. Talvez, sem saber, sejamos  vidrados em Robert Crumb, desenhista que preenche o espaço da página como se fosse autor de arabescos num tapete árabe. Quem toleraria olhar por 15 minutos para um jardim nipônico ou uma escultura do britânico Henry Moore?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s