A morte assustadora

0011

Ana Paula Gomes

A morte não tem hora, nunca é precoce nem tardia. É na sua hora. E o real que ela carrega não tem sentido. Ela está escrita no script de uma vida. Sempre. É a única certeza que se tem: ela virá, mas nunca se sabe quando nem como nem onde.

Mesmo não tendo sentido, a morte de Domingos Montagner porta uma estranheza, pois vimos o script da ficção  repetir-se  no real da vida. O enigma da morte no script de uma vida, em seu caso, foi ficcionado. Onde a falta de saber deveria aparecer, lá estava seu duplo, encarnado no personagem Santo, encenando o roteiro que é sempre mistério. Unheimlich.
O real é uma invasão, impossível de ser simbolizado. O que resta é sempre tentativa de dizer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s