Não houve uma segunda Tróia

 

 William Butler Yeats/Benatti

 

por que  deveria eu culpá-la  por ter preenchido  meus dias

com infelicidade, ou então que nos últimos tempos

tivesse ensinado   a  homens ignorantes maneiras  mais violentas de ser

como se os atirasse  em  ruas estreitas

tiveram  eles coragem para desejar outra coisa?

o que poderia eu ter feito para pacificar sua   mente

nobre  como um incêndio

com a beleza de um arco fletido?

poderia ter feito  isso numa  época como a nossa

de modo altivo,  solitário e ainda mais  severo?

o que  poderia ela  ter feito sendo  ela o que  é?

teria havido uma segunda   Tróia  para ela queimar?

[Nota: Maud Gonne foi uma irlandesa revolucionária de beleza devastadora, por quem Yeats ficou perdidamente apaixonado a ponto de lhe dedicar inúmeros poemas. O amor, disse Redington, o protagonista de Blacklist, é a única força capaz de nos desestabilizar. ]No poema, Yeats compara Maud com Helena de Tróia, suprema beleza do mundo helênico, cujo seqüestro acabou por incendiar Tróia.]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s