Hemingway, Picasso, Benatti, João Cabral e o anônimo pescador do Rio São Domingos, cada um com seu peixe

LRB

Hemingway pescou no Caribe, proximidades de Havana; Picasso brincava com peixe ou pão; Benatti surrupiou o peixe do espanhol; João Cabral dominava a artesania do verbo de córregos e remansos, e o pescador do São Domingos desmaterializou-se na fotografia. Não se esqueça de que todos os pescadores mentem bastante.

Pescadores pernambucanos/João Cabral

Qualquer pescador de tarrafa/arremessando a rede langue/dá a sensação que vai pescar/o mundo inteiro nesse lance;//e o vôo espalmado da rede, planando lento sobre o mangue, se não o mundo, os alagados,/dá a sensação mesmo que abrange.//Depois, pouco se vê:/como, ao chumbo tirante,/se transforma em profundo/o que era extenso,antes;//vê-se é como o profundo/dá pouco, de relance;/se muito,uma traíra/ do imenso circunstante.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s