A geografia da faca

001

Luiz Roberto Benatti

 

sempre que ela se cansa de retalhar

guarda-se numa  bainha tinta de sangue

no tempo frio do Inverno

ela se enferruja até que a mão ossuda

do magarefe de novo lhe  empresta valor

e brilho por que a faca quer ser faca

enquanto houver dúvida sobre quem manda

ou obedece já que  a Verdade

é  apenas uma baga de suor num lenço desfiado

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s