À deriva

Luiz Roberto Benatti

DSRKNCKZO numa escala descendente até a desconstrução das frinchas do mundo & a   lente  que não  deixou vazar a luz enovoada no  interior do globo ocular onde se borraram  as letras esfareladas: só o cão conhece os caminhos semafóricos da cidade só a mendiga se recorda dos cheiros das águas podres do Ganges só os garotos excitam-se com a cor pálida do permissivo sexo helênico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s