Proposta de bate-papo com  Antônio Cícero a respeito de Martin Heidegger

001.png

Luiz Roberto Benatti

 

O senhor defende o ponto de vista de que Martin Heidegger não só se aproximou do hitlerismo como também tomou gosto pelo veneno. Como o senhor se inclui na categoria dos intelectuais, logo encontrou curtidores de sua posição, alguns dos quais leram do filósofo alguma coisa, outros coisa nenhuma. Como a súbita paixão de Heidegger pelo hitlerismo deu-se em 1933 e, no ano seguinte, 1934, ele já tivesse superado o momento irracional da entrega, seria de esperar que dirigíssemos aos desleitores do filósofo convites à leitura e não lembranças amargas dessas horas que deverão servir apenas para adiar  o contato e não  o contágio com a obra seminal. Admite o senhor tratar-se de obra de exponencial valor e, que se for mesmo o caso,  deveria ser conhecida? Embora eu não goste de argumentar com base numa espécie de contracampo do raciocínio, pergunto-lhe se o senhor vê Drummond ou Manuel Bandeira do mesmo modo que analisa MH, porque ambos serviram ao governo de Getúlio Vargas, que não só combateu as esquerdas, como namorou o nazifascismo. Nessa direção iríamos longe.O senhor se preocupa com a indigência cultural de nosso País ou  com a textura pé-de-chinelo de nossa produção literária? Deu-se conta de, quando  muito, a literatura escolar alcança os anos 60s, todavia com Clarice Lispector e João Guimarães à margem? Quando chegaremos a Milton Hatoum? Heidegger é água que dessedenta, mas para bebê-la temos de acordar bem cedo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s