O TERCEIRO HOMEM

sergio-roxo-1

                        Sérgio Roxo da Fonseca

                        Procurador de Justiça,  professor livre docente da UNESP e advogado.

 

            O filme Terceiro Homem sempre esteve envolto em histórias e lendas prováveis e improváveis, lançando um manto de mistério tanto na sua narrativa, como na sua filmagem. É de 1949, com fotografias expressionistas em fortíssimo preto e branco. O mercado era, até então, fortemente dominado pelos filmes norte-americanos. Ao contrário, o “Terceiro Homem” é inglês. Como inglês era seu diretor, Carol Reed,  que trabalhou sobre uma história escrita por outro britânico, o extraordinário Graham Greene. Tem como cenário a Viena de após a II Grande Guerra.

            Até hoje há quem afirme que o filme foi inspirado no debate de Platão e Aristóteles sobre a “terceira forma”, daí o nome “Terceiro Homem”.

            A narrativa ajoelha-se frente aos pés da guerra fria quando ainda era morna. Havia necessidade política de esmaecer as vitórias dos russos contra o nazismo, derrotado por eles em Varsóvia, Viena e Berlim. Os norte-americanos e ingleses, contra a opinião de De Gaulle, somente enviaram tropas para o norte da França, o “front ocidental”, em 6 de junho de 1944, o chamado Dia D,   data eleita por Hollywood para celebrar o final da guerra. Na verdade. as tropas russas, “front oriental” já estavam então nas portas de Berlim.  A guerra oficialmente terminou em maio de 1945. Viena, como Berlim, foi repartida entre os países aliados.

No filme, as tropas de ocupação trabalhavam para  prender um norte-americano que vendia penicilina falsa, matando doentes. O papel do criminoso foi protagonizado por Orson Welles, o Harry. O papel do “mocinho” coube a Joseph Cotten. A italiana Alida Vali contracena com eles.

Os artistas num restaurante ouviram um músico austríaco apresentando uma composição de rara beleza. O compositor e músico chamava-se Anton Karas e tocava um instrumento de origem grega, a cítara. Imediatamente os produtores do filme adquiriram os direitos para veicular a música na sua trilha sonora. A música herdou o nome do filme, o Terceiro Homem. Foi a música mais ouvida no início da metade do século XX.

Uma questão de ética, marca registrada de Graham Greene, surgiu no final do filme. Vale a pena lembrar. O “mocinho” e o “bandido”, até então amicíssimos, encontram-se na roda gigante vienense.

O “mocinho” acusa o “bandido” de estar vendendo penicilina falsa, matando assim muita gente. O “bandido”, ironicamente, refuta, afirmando que a penicilina falsa somente estava indo de encontro com o desejo de todos vienenses que buscavam a morte para fugir dos problemas por eles vividos.

E o “bandido” acrescenta que a Itália, no passado histórico, quase sempre foi governada por ditadores sanguinários. Consequência, produziu grandes homens, como Leonardo, Michelangelo, Dante e Verdi.  Ao contrário, a Suíça, sob com uma democracia secular e eterna, somente revelou o relógio do cuco.

 A afirmação é repelente, mas ainda permeia muitas das relações modernas poishá quem diga que “se não houver ditadura, não haverá progresso”. Como sempre, a crítica de Grahan Greene não perdeu um pingo de sua importância.

O “Terceiro Homem” foi o filme que mais vi e revi desde a minha distante juventude. O tema aristotélico sempre volta à minha memória. O som da cítara de Anton Karas marca até hoje o compasso do meu passado.

 Num restaurante de Viena, um garçom perguntou-me qual era a música que que deveria solicitar aos músicos ali presentes. Um deles tinha uma cítara. Solicitei que tocassem a música de Karas para o “Terceiro Homem”. Pela primeira e última vez fui aplaudido pelos músicos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.