Já não se vêem mais psicanalistas como noutros dias

Luiz Roberto Benatti

Há anos freqüento minha psicanalista como quem degusta, com um velho amigo dileto, um bom vinho tinto com gorgonzola e azeite grego. Nós nos conhecemos desde os tempos em que meu pai amarrava o  velho cão perdigueiro  com lingüíça para garantir-se  boas codornas na próxima caçada com o confrade Claudino Conca. Bons tempos em que a amizade era saborosa como nos tempos de Cícero e ninguém pensava em tirar casquinha do que pertencia ao outro. Tudo ou quase tudo não tem mais o rosto de outros tempos: o telefone intimista ficou despudoradamente público e toca, a qualquer hora, na ópera ou no motel; artistas e outras criaturas charmosas invadiram o mundo dos meios de comunicação de massa   e falam que falam de como emagreceram 2 quilos no último Inverno ou de como recuperaram, depois do parto, os contornos  do baixo ventre. Não posso afirmar, de modo taxativo , que a exposição pública é o pior  de nossos dias, mas devo admitir que vivemos sob o império do olho que olha e vê o óbvio, lambe as rugas do canto dos lábios e degusta o penúltimo tom de vermelho do batom das deusas televisivas. O cenário mudou e todas as pessoas, ao deslocar-se do escritório para o automóvel e deste para o restaurante ou o shopping, concentram-se no desenho do queixo,  nos movimentos halterofilísticos das nádegas, na armação do penteado e no recorte  das unhas das mãos e dos pés  desnudos. O riacho de Narciso espraiou-se tanto, que nele já não se  vêem mais as imagens fragmentadas tantas são as criaturas líquidas ali projetadas. Minha psicanalista nunca foi dada à confidência pessoal, porque, afirmou com convicção junguiana, aquela história de transferência de Freud não passava de sacanagem.Transferência? Encantar-se com o paciente ou vice-versa? Afaste de mim o cálice da poção mágica do amor.  No entanto, naquela manhã muito quente de agosto, ela me disse que fora atingida por uma pedra espacial, negra, dura e muito pesada: o jovem cliente portador de DOC a chamara de  bruxa velha e o adjetivo colou-se no inconsciente traduzido como “decrépita”. Depois que o menino biruta voltou para casa com o motorista uniformizado, minha psicanalista foi à toilete e encarou de frente o espelho e a desgraça. Cara, que coisa horrível foi constatar que o enrugamento da pele do rosto a deixara como um pergaminho amarfanhado. Amassado e cor de âmbar como lâmpada de lupanar. “Bem eu”, disse de si para consigo a psicanalista, “que repeti, por 30 anos, que as rugas são as marcas da alma, como a movimentação de terras no planeta. Bem eu que adorava olhar para os retratos do poeta Auden e ver as minúcias dum rosto sinuoso como o caminho estroboscópico duma lesma embriagada. Mereci!” Minha psicanalista só não telefonou para o velho mestre com quem fizera análise, porque o homem, pelo Alzheimer, não distinguia mais melancia de abóbora vermelha. Depois dessa manhã mais complicada e perigosa que o desembarque das forças aliadas na Normandia, com o imprevisível desastre, fiquei muitos meses sem voltar ao consultório. A criança em mim queria ser mimada pelo calor da voz melodiosa da amiga, razão por que eu havia-me esquecido de como oferecer-lhe o ombro do conforto fraternal. Um dia armei-me de redobrada coragem e, mais uma vez, apertei  a campainha do consultório. Fui atendido por um cara, cheio de pose e empáfia, como o Kevin Costner, cuja armação corporal  era capaz de converter heterossexual em metrossexual num estalar de dedos ou num simples piscar de olho. “O que é que o senhor deseja?”, perguntou o tipão pelo vão estreito da porta.Ia responder-lhe, com rima, que queria um copo de cerveja, mas fiquei intimidado e o guarda-costas poderia enfiar-me a mão na cara. Disse: “Sou um velho cliente da doutora …”

Costner cortou o meu barato ao meio e respondeu: “Aqui ninguém mais é velho ou novo, amizades estão proibidas, confidências nunca mais, os velhos tempos estão nos museus de quinquilharias. Passar bem e lavar a seco.” Enfiei a viola no saco e fiz meia volta, quando resolvi perguntar ao homão sarado:”Quem é o amigo?Qual a sua função no pedaço?” Azedo, ele falou alto: “Sou o PPA da psicanalista.PPA, senil carente, significa Psycho personal advisory, quer dizer, Conselheiro psiquicopessoal.Salário: 15 pilhas ao mês, casa, comida, roupa lavada e carrão zero. Freud que berre no túmulo. Lacan, nem falar, porque esse tinha amigos loucos,  os surrealistas comiam jiló com champanhe.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.