Jardim Botânico

Jan Wagner.

as palavras pesando em ti
casais silenciosos vagando para lá e para cá
os canteiros cobertos de folhas, as árvores nuas
o gélido brotando das cercas de ferro forjado
a luz aristocrática pálida como cera
avistei no alto do morro os vidros da estufa
suas costelas brancas, fin de siècle,
e logo pensei naquele esqueleto de baleia
para o qual se vira a cabeça quando criança
no museu, preso nos cabos invisíveis,
parecendo flutuar, suspenso,
nesses monstros alagados, encalhados
saídos das remotas profundezas insondáveis da encosta
sufocados com o seu próprio peso

Tradução: Viviane de Santana Paulo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.