A balada de Zé do canivete

Bertold Brecht/Benatti.

o tubarão de belos dentes, minha flor

exibe o branco perolado

Zé do canivete só tem  essa faguinha

e ainda assim o mantém distante

quando o tubarão dá uma dentada, flor

ondas escarlates rolam por aí

mas o Zé usa luvas de pelica, flor

e nenhuma ferida vermelha

no meio-fio domingueiro

vi um corpo agonizante

alguém esqueirou-se na esquina

seria aquele cara o Zé do canivete?

dum rebocador no rio

caiu um saco de cimento

serve apenas de contrapeso, flor

aposto que o Zé voltou à cidade

Maria Clara  tomou chá de sumiço

depois de embolsar a grana, flor

Zé da faca gasta com marinheiros

será que algum  garoto se precipitou?

Cordélia, Deise, Fernanda

Joana, Vivi, Teresa

a lista aumenta à noite, flor

com o Zé de volta ao trampo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.