Makalu

Marie Iljasenko/Benatti.

 sou uma xícara de chá

uma caixa branca e frágil de  sabor amargo

é como: não se reprima

é como estar à mercê dum deus de três cabeças

amor, você diz. Makalu, eu digo

no térreo há uma plantação  de chá preto

no fundo, um acampamento

onde eu deveria estar

mas não houve  Verão neste ano

e o  Inverno não virá

o carvão preto dorme no depósito

e sonha com o  dia em que será pedra branca

[Nota: o poema pode ser sutil, por que não? O amor será sempre sim e não. Makalu é uma das montanhas mais altas do mundo, a Leste do Everest: no topo.abaixo, preto/branco.]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.