Henrique Dumont, sapador e fundador duma outra CTV que não queremos reconhecer, III

Luiz Roberto Benatti.

Para Carlos Dantas e Édison Sutter

Na Fazenda Dumont, em Santa Adélia, nasce o velho Japurá, atual São Domingos, que para os caiovás mentia sobre as cheias e a grande várzea espraiada que ia da curva sinuosa dos Bombeiros até os fundos da Estação rodoviária. Rio-mar. A propriedade pertenceu a Henrique Dumont cujas fazendas, 33 ao todo, estendiam-se de Ribeirão Preto até os nossos limites. Terras roxas apropriadas ao café procedente do Saara, cuja vermelhidão resultou da decomposição do minério de ferro do basalto. Dos vulcões veio nossa matéria prima corporal, mental, ferroviária, comercial, industrial e internacional. Éramos exportadores em 1910 e não soubemos, porque a desmemória substituiu as penas de viver do travesseiro. Quem tem sonho não fica tristonho nem morre bisonho. As propriedades de Dumont somavam 6295 alqueires com 1 milhão e 500 pés de café, 420 casas de colono, outras para os administradores e fiscais, armazéns, farmácia, escola, casas de máquina, olaria, ventiladores, despolpadores, linha férrea, locomotivas. Dumont foi o rei do café, com quem Schmidt tentou ombrear.Empregou meridionais, espanhós e negros, mas não foi escravocrata. Ele projetou e pôs em prática novas técnicas de mecanização do café e exibiu postura empresarial que ainda hoje seria atual, avançou sobre o mercado europeu. Seu império chamava-se Dumont coffee company. Embora a Baldwin tenha passado por CTV pela primeira vez em 1º. de maio de 1910, o apogeu do Oeste paulista ocorreu em 1880, data que deixa no banco de reservas nossos founding fathers. A mentira tem nariz curto mas muito surto. Quando moço, o padrinho de Henrique o mandou para Paris, onde ele se diplomou na Escola de artes e ofícios, na época o equivalente das faculdades de engenharia. Em 1872, ele projetou a subida ferroviária da Serra da Mantiqueira para a Estrada de ferro central do Brasil. Instalou-se depois numa propriedade de Cabangu, MG, onde nasceu o famoso filho aviador, criatura que conviveu com reis e papa na Europa, onde viveu como dândi, enquanto mandou edificar com o dinheiro do café o primeiro hangar de dirigíveis. Três irmãs de Alberto casaram-se com três irmãos Villares, também mineiros, miliardários até hoje. Dentre outros feitos, Henrique montou a Cia. de navegação fluvial a vapor do Rio das Velhas. As catas de ouro de outras épocas multiplicaram-se como grãos de rubiácea. Até há pouco, os arcos da pizzaria de Luís Mário Devitto,na Rua Sergipe, bem visíveis, eram uma espécie de cartão postal da estação ferroviária que não chegou a funcionar nem se estendeu para Oeste e, depois, para a Bolívia, porque Henrique corrigiu-lhe o traçado, deu-nos identidade e musculatura econômica até meados de 1950s.Para HD a Railroad era um luxuoso brinquedo transportador de sacos de café para o porto de Santos. Ele não foi jamais “um pioneiro que chegou a esta terra”, não era um errante, visionário. Tinham dado o nome de seu filho à extensão da Rua Ceará até o aeroporto, mas, furibundo, Mao tsé-tung decidiu trocá-lo por Orlando Zancaner, nosso mágico de OZ. Ficamos órfãos e desmemoriados.Não temos história, mas lendas: viramos hobbits.

2 comentários sobre “Henrique Dumont, sapador e fundador duma outra CTV que não queremos reconhecer, III

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.