José Alfredo Luiz Jorge, o constelizador: 1983-1988

Luiz Roberto Benatti.

“O encontro de duas pessoas”, afirmou Carl Gustav Jung, “é como o contato de duas substâncias químicas: se houver alguma reação, ambas se transformam.” No caso de José Alfredo,  a reação química  deu-se entre ele e a cidade. Ele assimilou a urbe e dela fez carne e espírito. A transubstanciação não teria sido completa não fosse a memória. José Alfredo tem memória proustiana, quer dizer, ele se lembra com nitidez do sabor de bolo na hora do chá,na infância, e dos habitantes da cidades. Ele  não separou o rico do pobre como se o segundo devesse estar confinado num gueto miserável.Ele é um onímoda, mas não  alguém, como o minucioso relojoeiro, capaz de ocupar-se com coisa única por muito tempo.Ele sobrevoa vários assuntos ao mesmo tempo, amarra-os por baixo e por cima, convoca especialista  que por acaso domine o assunto em questão e vai direto ao ponto. Nele, o que parece ser fruto de improviso na verdade foi gestado por muito tempo, até a maturação plena. A costura do tecido catanduvense com a política estadual e federal foi muito além da tecitura de Antônio Stocco. José Alfredo guardou-se para uma grande festa, ainda na mocidade: entreteve todos os convidados e alavancou a cidade que não foi mais a mesma depois que as bexigas murcharam.

Em 1º. de janeiro de 1983, Zé Alfredo tomou posse sob o império das águas do São Domingos. Ele arregaçou as mangas da camisa e confrontou-se com as águas furiosas, até que ganhou o apelido de o menino do rio. O Zé trabalhou bastante e quem o negar irá para o inferno: mandou abrir poço de abastecimento de mil metros, construiu o novo estádio  do Cachorro Sentado/Vila Sotto, edificou conjuntos habitacionais, concluiu as obras da nova rodoviária, o MIS e o clube popular Nair de Freitas, cujo nome praticamente desapareceu, trouxe o ERSA, reconfigurou a calçada da Brasil, creches, centros comunitários, pronto-socorro, parque infantil, o prédio da delegacia seccional de polícia. Seu mandato prolongou-se até até 31 de dezembro de 1988 quando ele devolveu a prefeitura ao seu desafeto, Warley Agudo Romão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.