A memória das coisas: o segundo Banco do Brasil, II

Luiz Roberto Benatti.

A segunda versão do prédio do Banco do Brasil (a primeira localizou-se num edifício térreo, porém imponente, na esquina da Rua Brasil com a Sergipe, no lugar do atual Banco Itaú) inaugurou-se em 13 de setembro de 1950, poucos dias antes das eleições que conduziriam Vargas ao poder e, a seguir, ao suicídio. A economia da cidade só ganhou musculatura com a economia de Vargas a partir dos 30s. Como a primeira versão, a segunda também se desfez: em seu lugar vemos hoje o caixote funerário  da Caixa Econômica Federal, na Rua Brasil com a Alagoas. Como Jonas foi engolido pela baleia, o BB sumiu-se no ventre  da Caixa, a Federação deglutiu o Estado e o  moderno deu lugar à feiúra do pós-moderno, ainda que as cidades industriais da segunda metade do século XIX fossem sujas, ruidosas e muito feias.  A conseqüência da deglutição do edifício original por outro de estilo brutalista  foi que nos perdemos do bom caminho da arquitetura brasileira moderna, aberto por Le Corbusier e Oscar Niemeyer, e,  mais próximo de nós, por Edgar Guimarães Valle, autor do projeto do BB. Guimarães é de Cataguazes. Quem se deu conta da superior qualidade arquitetônica do segundo prédio do BB e suas exponenciais qualidades de função foi Antonio Zaccaro num artigo publicado na revista O século. Ao projetar o belíssimo edifício do Correio, na Rua Pará/Paraíba, Zaccaro o fez inspirado no BB. Infelizmente, esse prédio virou posta-restante.  O ato de assimilação dum edifício por outro não atingiu apenas o prédio do BB, mas separou-nos, de modo irremediável, de nossas raízes mineiras dos Borges, Figueiredo e os anônimos. O caso de Edgar Valle é especial porque, em Cataguazes, na Zona da Mata de MG, onde poderemos percorrer acervo notável de arquitetura moderna, com ousadia, ele projetou a Igreja Matriz de Santa Rita, em 1944, antes que Le Corbusier, na França, projetasse a Capela de Ronchamp e Mies van der Rohe, o Lake shore drive de Chicago; no ano em que o prefeito Sylvio Salles deu início à construção do Parque das Américas, mas também o de estréia da Rádio Difusora ZYD-5. Caminhávamos rápido na direção da modernidade. Quando a arquitetura é, de fato, moderna e o que significa isso? Houve gestualidade de traços modernos em Le Corbusier? Caso a resposta seja positiva para o arquiteto europeu, terá havido também para o carioca Oscar Niemeyer, seu discípulo. Em CTV, a nossa arquitetura mais antiga, reivindicação oficial do Estado, ou resultante do gosto e do investimento particular, instalou-se, para ali abrigar-se, no alto dos dois grandes cones: o da parte velha da cidade ,ou vila monárquica, no Higienópolis; e o da parte nova, ou cidade  republicana, no centro e derredores. Seja como for, a definição precisa de moderno entre nós ficou prejudicada pela atitude imobilista e os discursos inócuos dos sindicatos que, ao contrário dos europeus, norte-americanos ou soviéticos, não souberam exigir que às classes empobrecidas, porém operosas, o poder público mandasse projetar moradias capazes de assimilar ventilação, dimensionamento humano e funcionalidade.As casinhas do Vila nova Catanduva não foram dimensionadas segundo a anatomia do morador. Faltaram-lhes  Modernidade e responsabilidade social, enfim, como se fez na época do New Deal de Roosevelt, nos EUA.[Na 3ª.. imagem, a Vila Savoye, de Le Corbusier, na França, exibe  grande semelhança com o nosso BB].Dado de interesse para a memória do leitor é que a planta do BB, exibida numa exposição londrina, foi premiada, e, como o interesse por ela foi muito grande, alguém, na época, sugeriu que ela poderia se tornar modelo para outros bancos. Exportávamos café e idéias.

2 comentários sobre “A memória das coisas: o segundo Banco do Brasil, II

  1. O Edifício do Banco do Brasil de Catanduva, agência edificada na esquina da Rua Brasil com a Rua Alagoas teve como construtor meu avô Domingos Vieira da Cruz e meu pai Belarmino Vieira da Cruz. Uma obra magnífica cujo memorial descritivo de aproximadamente 80 páginas era impresso em mimeógrafo a tinta. A obra foi feita com uma qualidade extrema, com caixão perdido entre lajes, já que sobre a agência existiam 2 moradias, uma para o gerente e outra para o sub gerente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.