Francisco Brennand

Luiz Roberto Benatti.

Brennand não tomou gosto pela cerâmica duma hora para outra. Ele estava interessado na pintura de cavalete, até que na Europa viu o que Picasso ou Mirò faziam com a arte milenar de queimar o saibro, esmaltá-lo e voltar a queimar até que as várias camadas de tinta, sobrepostas, revelassem cores extraordinárias. Há uma mitografia na obra numerosa do pernambucano, mas será pura perda de tempo querer vê-la com os circunlóquios da Razão pura. Melhor apreciá-la pelo puro estado de emoção. Brennand foi um onímoda como Gaudí e quem for ao Recife irá constatar que não estou mentindo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.