Orfeu negro

Luiz Roberto Benatti.

No ano passado, 2019, esquecemo-nos de lembrar o 60º. aniversário de Orfeu negro, o filme de Marcel Camus que ganhou Oscar de melhor filme estrangeiro e várias Palmas de ouro. No meio da fumaça tóxica das manifestações racistas provenientes muitas vezes do andar de cima, ficamos igualmente esquecidos de levar para a mesa da Flip discussão sobre o filme que, conforme  revelação nas  memórias, o presidente Obama declarou que sua mãe, apaixonada pelo filme, mudou-se para as Bahamas para casar-se com homem negro. O pintor Jean-Michel Basquiat afirmou que Black Orpheus o influenciou na juventude. Vagotônicos são os caminhos e descaminhos da memória. O filme foi extraído do poema Orfeu da Conceição de Vinícius de Morais e seu espaço de configuração é a favela carioca. O Carnaval empresta-lhe o telão de fundo. Agostinho dos Santos faz a voz do ator Breno Mello, jogador do fluminense escolhido dentre 45 atores para o papel de Orfeu. Éramos internacionais e não sabíamos, éramos felizes e disso sabíamos.  Na foto, a atriz Marpessa Dawn que desempenhou o papel de Eurídice.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.