Como solucionar um crime quase-perfeito, II

Luiz Roberto Benatti.

1º.) Abra a gaveta 7889 do IML, fotografe em close o tom cinza-azulado da pele do rosto do cadáver, afaste-se e vá com o legista à academia para correr na esteira por 2 h e meia;

2º.) Algumas regiões do País são mais favoráveis às práticas criminógenas que outras, mas tudo depende do volume da safra anual da soja;

3º.)Não se apresse em solucionar o crime porque, depois disso, o público perde o interesse  pelo ocorrido e fica à espera de novas facadas ou tiroteio;

4º.) Vá ao boteco “Não durma em cima do copo” e pergunte ao velhote barbado que fica sempre num cantinho escuro onde estava a loira com uma rosa vermelha presa à orelha à direita;

5º.) Se tiver chovido muito na noite do crime, você estará com sorte: a água da chuva leva quase tudo, mas deixa sempre o chapéu do morto entalado na grelha do bueiro.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.