E Daí?

Mílton Nascimento

Tenho nos olhos quimeras

Com brilho de trinta velas

Do sexo pulam sementes

Explodindo locomotivas

Tenho os intestinos roucos

Num rosário de lombrigas

Os meus músculos são poucos

Pra essa rede de intrigas

Meus gritos afro-latidos

Implodem, rasgam, esganam

E nos meus dedos dormidos

A Lua das unhas ganem

E daí?

Meu sangue de mangue sujo

Sobe a custo, a contragosto

E tudo aquilo que fujo

Tirou prêmio, aval e posto

Entre hinos e chicanas

Entre dentes, entre dedos

No meio destas bananas

Os meus ódios e os meus medos

E daí?

Iguarias na baixela

Vinhos finos nesse odre

E nessa dor que me pela

Só meu ódio não é podre

Tenho séculos de espera

Nas contas das minhas costelas

Tenho nos olhos quimeras

Com brilho de trinta velas

E daí?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.