Os velhos não têm vez

Luiz Roberto Benatti

Sucata estéril

num pátio amarelo de ferro-velho

pneu & biela, virabrequim & pé-de-vela

somente nos falta o ás de ouro do derradeiro pôquer

o osso do joanete cozinha-se em chama alta

somos todos semelhantes uns aos outros

no cuspe, nas hemorróidas, nos dentes podres

no ar, a memória oscila como grão de alpiste

um dia fisguei tabarana de 2 quilos

mas ninguém pôs fé num velho idiota

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.