O inominado

Sílvia Gabas

Na individualidade que habita,

 interpõe-se uma percepção

 que a obriga a perguntar:

 -Qual é, senhores, afinal,

 a graça em viver uma existência toda,

 na alegria tola da embolorada superfície

 de todas as coisas,

 desdenhando das ruelas úmidas e lúgubres,

 reduto eterno dos mistérios

 que nos rondam e nos assaltam, invariavelmente?

O inominado, o não sabido, a poesia eterna do tempo…

 É, pois, nesse reino jamais adentrado

que prefere transitar à vontade,

 desfrutando a sensação reconfortante

 daquilo a que ainda não se nomeou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.