CORNUCÓPIA

Eliane Fittipaldi

Na cornucópia guardo pedras,

Tocos, lascas, paus e restos

palavras com mais de seis pernas,

quinhentos bichos-lanternas

uns poucos elfos inquietos

e recrutas de casernas.

Seres, doces, objetos,

abelhas, remos, ovelhas,

um labrador e um sabujo,

uma boa pilha de telhas

que abriga uma pobre lesma

(viúva de caramujo).

Nela tranco meus tesouros:

um fino rabo de arraia,

uma moeda de ouro.

Uma folhinha de louro,

uma boneca de saia,

um pedaço de cambraia,

junto a um realejo sujo.

Percevejo, pulga, lacraia,

Um vaso de samambaia,

espinafre de marujo.

Nessa concha obsoleta,

ponho papel e paleta,

coisas que ninguém tem:

uma nau catarineta,

uma cria de cometa,

um cinzel e uma lambreta,

um piratinha maneta

e um Pinduca ainda neném.

Mantenho lá, bem fechados,

a grande morsa sueca,

papai noel de cuecas,

coquinhos de Itanhaém.

Na cornucópia há duendes

gritantes, esperneantes.

Faunos com flechas beijam

donzelas de seios grandes.

Lá, velocinos gigantes

escoiceiam brutalmente

sete anões inteligentes

que os montam, os esporeiam

e os amarram com correntes.

Dentro da concha mágica,

reizinhos de barba pontuda

com sua bata barriguda,

penduram-se em tranças escadas,

escondem-se nas mansardas

e morrem de morte trágica.

Tartarugas com espadas

cutucam fadas aladas,

cortam cabeças de gárgulas,

torturam magas malvadas.

Do pavilhão se desprendem

fragmentos de orações

discursos mais-que-proféticos,

repletos de conjunções,

textos além de exotéricos,

vozes cheias de razões.

Nessa minha cornucópia,

ratos orquestram vassouras,

coelhos não querem cenouras,

crianças não comem feijão.

As sereias não são louras,

as avós são todas loucas

restrições são muito poucas

e os ovos não caem no chão.

No crisol da cornucópia,

Tudo é plena substância:

O devaneio, a lembrança,

a imagem, a experiência.

Toda a poesia do mundo

deposita-se no fundo,

em cegante radiância.

Todas as coisas da infância

lá se enredam, se misturam,

se fundem e se depuram

em alquímica solvência.

Vida pura.

Reticência…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.