Coronelismo, enxada e voto

Luiz Roberto Benatti

Coronelismo, enxada e voto é o título da tese de Victor Nunes Leal,de 1948, sem a qual você terá dificuldade para entender as eleições brasileiras antes da invenção da urna eletrônica. Em Catanduva,até as eleições em que Félix Sahão perdeu para Carlos Eduardo, e um pouco depois, o eleitor depositava o voto numa urna de madeira. Eram os tempos dadivosos da caneta Bic.Terminada a votação, a urna era lacrada e levada para o fórum, de onde, na manhã seguinte, era conduzida para a mesa eleitoral, aberta e despejada numa mesa comprida, para ser conferida. Havia uma quantidade impressionante de mãos, canetas  e olhos perscrutadores: um rubricava, passava para outro, que dava a um terceiro. Nas eleições do Carlos, a apuração se fez na quadra do Colegião, de onde o eleito saiu em carreata e foguetório pelas ruas da cidade. O sistema da velha urna vinha dos tempos dos coronéis, fazendeiros embotoados que compravam o título de nobreza e controlavam, no sítio, o voto do caipira a troco de sapato, óculos, dentadura e alimento. Cada coronel tinha o seu “curral eleitoral” onde ele garantia o sumiço de algumas urnas ou impunha o voto fantasma de alguém falecido que votava apesar de achar-se no além. No aquém do além. “É dando que se recebe”, disse Campos Sales, grande representante da República velha de SP. A urna eletrônica foi uma verdadeira desgraça para o voto contemporâneo de cabresto, no qual o coronelismo foi substituído pelo sindicalismo e a enxada pelo compadrio piegas. O voto é a garantia do poder. Outra desgraça na vida do novo coronelismo é a rede social: escorregou na maionese ou pisou no tomate, vai para a rede. Imagine que um autêntico coronel dos anos 30s morresse de ataque cardíaco naqueles dias e, descongelado, acordasse nesta semana em Catanduva e que, assim desperto, lesse no Facebook críticas sobre seus antigos feitos e contrafeitos. O cara sacaria do revólver e estouraria os miolos do Windows xp. A coisa está ficando meio complicada para o exercício das velhacarias e das mentiras mal lavadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.