Desvio para o vermelho

Luiz Roberto Benatti

Comprei um chapéu com duas escadas abertas na aba – minúsculas e redobráveis: uma levava à casa de Tristan Tzara, ao lado do Cabaré Voltaire; a outra, ao estúdio de Rothko. Todas as geografias, desde Napoleão Bonaparte, são manipuláveis e às vezes descartáveis. Depois duma mesura nipônica a Rothko e Tzara, convidei ambos para tomar umas biritas no boteco, onde o ar decadente nem de longe lembrava a efervescência poética dos velhos e saudosos tempos. Quando chegou ao quinto chope, Tzara  tirou do bolso do paletó de feltro um poema tão longo, que, até às  9 da noite, a leitura não havia terminado. Havia nos olhos de Tzara riso de escárnio que dizia ser essa  sua verdadeira  intenção. Rothko ficou enfarado, amarrou a cara, arrancou os 30 metros de sulfite com o poema das mãos do poeta, molhou a brocha na tinta e pintou tudo de vermelho. Foi assim que Rothko descobriu o desvio para o vermelho, prefigurado nas estrelas desde que o cosmo é cosmo. Depois disso, Tzara pegou a vara de pesca e foi para a Sardenha, onde morreu de gripe espanhola.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.