O espelho/uma ofensa/no espelho

Jenny Tunedal/Benatti

nossa habilidade em confessar

a ofensa é o mínimo em que você poderá pensar

sinal visível de meus sentimentos?

comportamento  saturado

[Jenny Tunedal é poeta sueca da geração mais jovem cujos poemas podem ser lidos em várias línguas, e também ouvidos no original, em Lyrikline.Nenhum traço regressivo de parnasianismo. A composição é simbolista no sentido em que norte-americanos e europeus entendem o termo que se aplica também a James Joyce: pele, osso, vísceras, o capotamento nas relações afetivas. A poeta se posta num  divã metafórico , mas sem divãnizar-se e diz o que deveria ser dito.]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.