O cão

Eduardo Lizalde /Benatti

[Aos 88 anos, Eduardo Lizales acaba de ser agraciado com o grande prêmio de criação literária Carlos Fuentes. A poesia de Lizales segue o rumo correto da melhor poética internacional, ao contrário da nossa que, com raras exceções, entaliscou-se no concretismo até endurecer-se por completo.]

Este é um cão.
Uma criatura que ignora a si mesma.
Não sabe
que pertence a uma classe
-de coisa ou animal-, ignora
que a palavra cão
não se aplica particularmente a ele:
          acredita que se chama cão,
          acredita que se chama homem,
          acredita que se chama Vem!,
          acredita que se chama Morde!.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.