O Luto Primordial e o Cerco das Coisas

Diego Tiscar

Alguém voltado quase que exclusivamente aos autores, que posteriormente tiveram seus nomes para a criação de escolas pode estar se perguntando o que são essas duas nomeações.

Luto primordial e cerco das coisas são dois conceitos clínicos, desenvolvidos por Fabio Herrmann, no decorrer de sua obra.

Conceitos são teorias generalizadas, comumente encontradas em todo ser humano que habita e habitou a Terra. Simplificando, são pilares fundantes do homem. Por exemplo, o Complexo de Édipo, universalmente dividido. 

Conceitos são organizadores do pensamento, paradigmas se você preferir uma linguagem mais científica. Uma base já existente de onde consigo partir.

Toda relação é um substituto de uma falta nostálgica de um estado de autobastância, a rigor nunca desfrutado.

Luto advém do luto de Freud, um esvaziamento do Eu provocado pela perda do objeto. Mas de qual objeto eles estão falando? No caso é uma situação.

Primordial vem dos primórdios da existência, uma época em que o Eu não existia.

Esse objeto perdido não é um objeto, uma vez que a relação objetal não existia por não fazer sentido ao indivíduo. Estamos no Cerco das Coisas.

O cerco das coisas é um momento estreito da vida onde havia fisiologia, sem representação. O sistema econômico fisiológico funciona no par: dor e não dor, assim o frio é sentido como dor, o calor materno é sentido como não dor. O mesmo se aplica à fome, luminosidade ou qualquer percepção fisiológica.

Em poucos segundos após o nascimento aquele pequeno ser fisiológico passa a ser representado por quem cuida. É- lhe dado um nome e são nomeados movimentos corporais e pessoas: a criança mexe a boca para um outro ser, logo lhe é dito “Joãozinho está se  rindo para o vovô”.

O Cerco das Coisas começa a se romper, onde havia fisiologia surge afeto: Sujeito, objeto, adjetivo e substantivo. No exemplo acima, o do sorriso, um movimento muscular ganha um nome e uma função. Gradativamente surgem funções diferentes para a mesma movimentação muscular.  Nascem sorrisos.

O que era dor vira frio, fome, solidão, tristeza e outras coisas estranhas à fisiologia que passam a ganhar o nome, por exemplo um coração partido.

A partir do momento que Joãozinho passa a existir não há mais o cerco das coisas, o nascimento do Eu obrigatoriamente traz a relação de objeto: a diferença entre Eu e relação de objeto é unicamente didata, é impossível pensar em uma sem a outra.

A autobastância é a vida natural, à qual tentamos sempre voltar, na maioria das vezes sem perceber, sinalizado por uma insatisfação, um vazio, que pode ser representado por muitos nomes ou a ausência de um nome: “sinto uma coisa, aqui”.

Agora que definimos os conceitos de Luto Primordial e Cerco das Coisas podemos dar um passo à frente nessa busca pelo que não sei o que é que nos move.

O grande escritor inglês Oscar Wilde  nos mostra toda a  sua genialidade ao perceber a falta básica e constituinte humana com sua frase encontrada no livro O Leque de Lady Windermere: “Neste mundo, há duas grandes tragédias: uma a de não satisfazermos os nossos desejos, e a outra de satisfazermos”.

Mas porque somos movidos pelo Luto Primordial e porque estamos sempre atrás desse: “não sei o que é, que se  perdeu na fisiologia”? Voltemos a Freud, mais especificamente à sua primeira tópica.

O aparelho mental é econômico, funcionando exclusivamente em quantus e qualitus. O estado fisiológico puro é o mais econômico possível; quanto mais desenvolvido o mundo representacional mais dispendioso será.

A sustentação do Eu e das relações objetais acarreta grande quantidade de energia, as diversas relações impõem diversos campos e diversos Eus, que Fabio Herrmann define como Identidade, no capítulo O Eu no Fígado da Pedra, do livro A Psique e o Eu.

O desejo nada mais é do que uma tentativa de voltar a esse estado fisiológicos sem o saber. Encontramos novamente outra descoberta de Freud: condensação e deslocamento. Como buscar algo que não existe?  Associando-o a vivências e buscando em outro lugar.

É dessa busca incessante e vã que nasce toda a beleza e toda a desgraça humana: poemas mais belos e holocaustos são frutos da busca pelo que não houve, em um lugar que não se encontra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.