MALUCO CANTANDO NAS MONTANHAS

Leonardo Fróes

(Baseado em Po Chü-i ou Bai Juyi, China, 772-846)

Todo mundo nesse mundo tem a sua fraqueza.

A minha é escrever poesia.

Libertei-me de mil laços mundanos,

mas essa enfermidade nunca passou.

Se vejo uma paisagem bonita,

se encontro algum amigo querido,

recito versos em voz alta, contente

como se um deus cruzasse em meu caminho.

Desde o dia em que me baniram para Hsün-yang,

metade do meu tempo vivi aqui nas montanhas.

Às vezes, quando acabo um poema,

subo pela estrada sozinho até a Ponta do Leste.

Nos penhascos, que estão brancos, me inclino:

puxo com as mãos um galho verde de cássia.

Vales e montanhas se espantam com meu louco cantar:

passarinhos e macacos acorrem para me espiar,

eu que, temendo me tornar para o mundo motivo de chacota,

tinha escolhido esse lugar, aonde os homens não vêm.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.