Shangri-la?Maná?Oxalá o Boto cor-de-rosa migre para a mítica Catanduva

Luiz Roberto Benatti

A administração pública da cidade é líquida: como a água, ela preenche pequenos ou grandes espaços por onde flui. Fosse apenas isso, ela seria visivelmente sem mistério. Lenda além da lenda relata que tal liquidez vem  do golfinho ou do boto cor-de-rosa. Nas raras manhãs frias da cidade, o boto deixa o Rio São Domingos e escala o prédio da administração onde se instala no 5º. andar. A coisa lendária faz com que a administração exista e não exista. De fato, o boto só perde a condição lendária no lusco-fusco: no 5º. andar, não há  quem saiba o que significa lusco-fusco ou se se trata de crepúsculo ou opúsculo. Não tem importância. No Norte, um boto capaz de falar com um magote de botos vai-se mudar para cá e fundar o sindicato dos botos líquidos: a mais mínima idéia de planejamento ou progresso será mal vista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.