Easy rider, II

Luiz Roberto Benatti

Não há brisa para os sulcos secos do sol incle-  mente  ou da moeda do mundo doente, cujos dedos são lanhados na forja da necessidade desacelerada.Aqui ou ali, o terror  planeja o futuro e a estrada para o Amanhã: trecho desafinado de Beethoven executado por um Bela Bartók meio louco. Se a família inchar-se, recomenda-se apear da motocicleta, erguê-la nos ombros e ficar mais à frente sob o  sol negro  dum cacto espinhento. Água e sombra não são para os gritos secos dos miseráveis.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.