Escola interrompida

Luiz Roberto Benatti

A escola pública dos anos 50s foi para o saco. Como a garota do filme,  ela se acha interrompida ou perdida na cratera dum vulcão ativo.Na verdade ela quer que a função de transmissora de Informação e Cultura seja transferida para o lar, como se estivéssemos nos confins poeirentos do Velho Oeste norte-americano, Bíblia numa mão, carabina na outra. Os índios eram os cavaleiros do Apocalipse. Se a escola como Jonas foi engolida pela baleia  e a seguir vomitada numa praia suja dos tempos sombrios, temos de devolver a criança ao Conhecimento  e não brincar de tampinha de refrigerante como se o único espaço de Verdade fosse o boteco.Boteco e alienação. A escola como o mosteiro medieval tem de mostrar à criança  que ásperas são as veredas que nos conduzem às estrelas. O mais contém o menos e o menos diria J.G. Rosa lembra osso de borboleta.Não há Transcendência numa tampinha e o plástico não é um brinquedo inocente.A criança tem de dominar os labirintos da Linguagem e os números das dimensões do Homem e não brincar de casinha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.