As marcas da dúvida: São Tomé e o 32

Luiz Roberto Benatti

Em escala bem menor que o tumulto do passe livre, o 32 gritou nas ruas o nome de sua fúria, entregou o anel de ouro, trocou o terno pelo uniforme cáqui, pitou um cigarrinho para sair como galã de Hollywood na foto. A rapaziada do passe livre rumou para a Paulista, pau e pedra na mão; alguns do 32 abeiraram-se do túnel da Mantiqueira. As refregas deram-se em muitos lugares, mas o fotógrafo chegou depois. Quem tombou onde e quando? Quem voltou para casa sem a metade direita da face? São Tomé, míope por conveniência, pergunta-se se, de fato, o 32 foi mais ou menos  a batalha do Marne que não vimos, ou se o Tietê não poderia ter sido o nosso Rio Verdum? Descrente de tudo e de todos ,desde a infância, São Tomé recortava de velhas revistas da Primeira guerra mundial fragmentos do cenário da grande peça A morte do Ocidente, até que, instruído por Braque e Picasso, picotou o álbum e misturou aquelas imagens com umas poucas que coletou nos jornais do 32. Assim, o que temos para ver é a bricollage do possível como se provável fosse. O 32 alimenta nosso imaginário bélico e fez de nós a Europa que não vimos.Quantas feridas poderiam comprovar que com granada desventrada não se brinca?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.