Um fato dá noutro, e assim gira o Brasil, país buliçoso

Luiz Roberto Benatti

Quando esteve no RJ, na Primeira guerra mundial, Darius Milhaud referiu-se ao Carnaval como “vento de loucura”. Para Paul Claudel, com quem ele conviveu nesse período, éramos “um paraíso de tristeza”, nossos “poetas eram canarinhos mecânicos” e o Português,  “língua que zumbe e assobia”. As duas visões são complementares apesar de opostas: Língua musical e poetas emperrados  pela prática parnasiana, de um lado, e o desregramento dos corpos, de outro. Nesse tempo, também esteve no RJ Nijinsky, logo depois aposentado pela esquizofrenia. Claudel, diplomata, tratava da dívida do País resultante dos descompassos da Railroad & co., a ser convertida na compra de café pela França, cujo montante, fabuloso, iria enriquecer ainda mais Paulo Prado, mecenas do modernismo de 22. Foi entre nós que Darius Milhaud descobriu o maxixe que lhe  revolveu cérebro e entranhas. Em 1919, ao retornar para a Europa, eles compôs Le boeuf sur le toit/Boi no telhado que, ao combinar-se com  samba de gafieira, era de fato o tango brasileiro que Chaplin incorporou a um filme mudo como trilha musical. O balé surrealista não se assentava sobre enredo definido: fazia-se numa  sucessão de quadros em que desfilavam um jogador de baralho, anão, lutador  de box, mulher vestida de homem, policial decapitado por fã.A malandragem, enfim, como na composição de Chiquinha Gonzaga (1910-1912), “Corta jaca”: Neste mundo de misérias/quem impera/é quem é mais folgazão/é quem sabe cortar jaca/nos requebros/de suprema perfeição/perfeição –  que se encaixa com palavras de Donga em “Pelo telefone”: Quem for de bom gosto/mostre-se disposto/não procure encosto/tenha o riso posto/faça alegre o rosto/nada de desgosto. Vida e lição de vida. Quando publicou Le soulier de satan,Claudel uso como epígrafe o provérbio brasileiro “Deus escreve direito por linhas tortas”. É possível que, ao inspirar-se para a composição Boi voador, Chico Buarque quisesse homenagear Milhaud:Quem foi, que foi/que falou no boi voador/manda prender esse boi/seja esse boi o que for. Le boeuf sur le toi  virou cabaré parisiense freqüentado pela fina flor européia e mundial.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.