Thomas Mann poderia ter-se inspirado em Manoel Bandeira para construir a figura de Hans Castorp, protagonista de A montanha mágica

Luiz Roberto Benatti. Num curto ensaio bastante precioso denominado A vida inteira que podia ter sido e que não foi: trajetória dum poeta tísico, Ângela Porto, pesquisadora da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, RJ, escreveu que “a poesia foi a maneira usada por Bandeira para redesenhar a auto-imagem”. Vemos pelo ensaio como a doença apanhava na…