Thomas Mann poderia ter-se inspirado em Manoel Bandeira para construir a figura de Hans Castorp, protagonista de A montanha mágica

Luiz Roberto Benatti Num curto ensaio bastante precioso denominado A vida inteira que podia ter sido e que não foi: trajetória dum poeta tísico, Ângela Porto, pesquisadora da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, RJ, escreveu que “a poesia foi a maneira usada por Bandeira para redesenhar a auto-imagem”. Vemos pelo ensaio como a doença apanhava na…

CTV: 1933-1936, mandatos encavalados, jogo de cartas perigoso e pruridos integralistas

Luiz Roberto Benatti Deus, pátria, novo Brasil, grande Nação, lemos no cartaz, enquanto os braços, cruzados à frente do tronco, lembram que esses entusiastas do Plínio Salgado  estavam dispostos a lutar por tudo aquilo que jamais fariam. O símbolo estampado na camisa verde é a letra sigma inspirada na suástica hitlerista. Eram todos eles caricatos,…

Clube, fascismo & farsismos

Luiz Roberto Benatti Apesar de a Sociedade Italiana, da Rua Alagoas, chamar-se Gabriele D’Annunzio e D’Annunzio ter sido um histrião de truques e gestos estapafúrdios e discursos pré-fascistas (confira-se o episódio de Fiume) recheados de delírio, nem todos os italianos e seus descendentes, freqüentadores do clube por 80 anos, foram politicamente conservadores ou admiradores do…